domingo, 24 de outubro de 2010


Era sexta, ela anunciou a família que ia sair com amigos.Ainal, o casamento era apenas aparência, ja tinham tratado que tudo ia acabar numa semana, era só chegar aquele papel, que na cabeça dela ia dizer:. enfim, separados!!! Então, porque ficar em casa, na frente da tv, comendo...comendo..., se a vida tava sorrindo lá fora.
Ela foi se arrumar e enqto passava lápis no olho recordava: que ja teve um amor, que agora era antigo,que nas tardes amenas de verão, ele chegava e ela batia palmas de alegria, sabia de um ombro amigo, gostava de dividir programas de tv, comidas quentes, lugar no sofá, chimarrão na frente da casa. Fim de semana, casa lotada de parentes, sim, eles vinham em "pencas", e ela, a cozinhar, fritar, esquentar, arrumar mesa, sorrir...Naquela época tudo parecia normal, certo, era um hábito, quase um culto!
Só que o tempo passou, filhos cresceram e ela começou a se olhar melhor no espelho, e do espelho fez uma radiografia interna e não gostou de nada que viu ali.Tinha tristeza no coração, amargura, solidão , uma grande parte de doação e muito de frustração.Era como o vento, um furação, que varria as folhas, os frutos, as flores.Ahh, as flores....era tão cheia delas pensou,...cadê aquela alegria gratuita, aquele ânimo todo, pra topar com o mundo e sair correndo sem rumo, feliz, cantante!
Ela perdeu tudo isso por um tempo, agora já não tinha aquele semblante da felicidade, mãos eram trêmulas, formigavam,vez ou outra mente escurecia, garganta apertava, muitas lágrimas e ansiedade.Do lado da cama, que antes tinha um vasinho de flor, agora 2 tipos de remédios...um, pra dormir, outro pra sobreviver.
Mas naquela sexta, que saiu com amigos,resolveu ficar...resolveu lançar semente onde não havia terra, semeou versos,plantou outros sonhos,cultivou um novo amor. Voltou pra casa, muito depois e deixou apenas um bilhete:" Deixo aqui um cantinho do meu coração, qdo fui muito feliz, mas não sou mais a mesma e procuro um futuro onde eu possa criar a guria cantante, dançante e verdadeira que se perdeu por aí. Vou atrás dela, sem medo de cair."
E assim foi.... fez das antigas memórias, armas de esperanças,juntou retalhos de sonhos e se reconstruiu!!!!

2 comentários:

  1. Parece alguém que eu conheço. Muito bom. Adorei.

    ResponderExcluir
  2. Nunca é tarde para se sair por aí a cata de nós mesmos.

    ResponderExcluir